notícias

Telemedicina: diminuição nas faltas das consultas

Conforme levantamento do SindHosp, estabelecimentos querem aumentar oferta deste tipo de atendimento

por Saúde Debate, com informações do SindHosp

18/11/2021
Sobre: A telemedicina mudou a rotina dos hospitais
Créditos: Freepik

A telemedicina ou saúde digital foi um importante legado da pandemia. Com o excessivo aumento da demanda por atendimento e a necessidade do distanciamento social, os serviços de saúde adotaram esse formato de atendimento. Uma pesquisa do SindHosp - Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo, que ouviu 139 hospitais privados no estado de São Paulo (20% na capital e 80% no interior), teve como objetivo principal compreender como foi a experiência com a telemedicina durante a realidade de distanciamento social. E como objetivo secundário, o levantamento pretendeu descobrir se ainda há espaço para a telemedicina em um momento pós-pandemia e se as instituições de saúde pretendem manter o serviço.


A pesquisa detectou que 22% dos hospitais pesquisados iniciaram o serviço de telemedicina a partir da pandemia de Covid-19 principalmente nos prontos socorros e 78% aprimoraram o serviço de telemedicina em especial nos ambulatórios. Mesmo após a pandemia, 76% querem aumentar os atendimentos por teleconsultas, 85% querem ampliar o uso da telemedicina e 88% querem ampliar para o telemonitoramento de pacientes crônicos.


Leia também - LGPD funcionará como filtro para plataformas de telemedicina


Leia também - As tendências inevitáveis para a telessaúde e a telemedicina


No entanto, ainda a adesão à telemedicina é baixa no interior: apenas 18% dos hospitais atendem por telemedicina. Na capital, 46% dos hospitais entrevistados adotaram a telemedicina.


Diminuição de faltas


Para 90% dos respondentes, a utilização da teleconsulta não alterou o intervalo entre as consultas, que é de 5 minutos. Mas para 85% a duração da teleconsulta aumentou: leva em média de 21 a 30 minutos, o que corresponde a um aumento no tempo de consulta de 1 a 9 minutos. Provavelmente, esse aumento de tempo de consulta deve-se ao processo de adaptação de médicos e pacientes à nova tecnologia. Ao mesmo tempo, 70% dos serviços informam que a falta dos pacientes às consultas diminuiu com a teleconsulta embora a frequência de remarcação de consultas também tenha aumentado para 70% dos entrevistados.


Pagamento


8,5 entre 10 hospitais informaram que os planos de saúde estão pagando as teleconsultas nos mesmos moldes da consulta tradicional. Nas consultas particulares, o ticket médio cobrado por uma teleconsulta é de R$ 400,00.


Atendimento multidisciplinar


Além dos médicos, 75% dos serviços de saúde informam que a teleconsulta está sendo realizada por outros profissionais de saúde (enfermeiros, fisioterapeutas e psicólogos).


Leia também - Como fica a telemedicina com o fim da Covid-19?


Leia também - Série especial telemedicina no Brasil: dados e mercado



leia também