notícias

Outubro Rosa: mudanças no corpo como sinais de alerta de câncer de mama

Mulher não deve esperar alterações na mama para fazer a rotina de visita ao especialista e exames periódicos

por Saúde Debate, com informações da assessoria de imprensa

07/10/2021
Sobre: Sinais de alerta de câncer de mama: mulheres atentas o ano todo
Créditos: Wayhomestudio / Freepik

Qualquer dor, mancha, vermelhidão ou algo que força uma alteração na rotina já se torna um alerta quando se fala de saúde. Mas, neste Outubro Rosa, o recado para as mulheres é para que não esperem simplesmente que isso aconteça para pedir ajuda. No entanto, mudanças no corpo como sinais de alerta de câncer de mama devem ser observados, ainda mais para uma doença já estabelecida e em estágio avançado.


O grande consenso entre especialistas em oncologia é que toda forma precoce de detecção de um câncer aumenta as chances de cura. No caso do câncer de mama, o Centro de Oncologia do Paraná alerta para uma desinformação perigosa: o autoexame de toque não é suficiente para assegurar que se está livre da doença, que em 2021 totalizará 66,2 mil novos casos segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA). O valor representa um risco estimado de 61,61 casos novos a cada 100 mil mulheres. Por isso, não é possível confiar apenas em mudanças no corpo como sinais de alerta de câncer de mama


Leia também - Câncer de mama: como se prevenir


Leia também - Como a pandemia interfere no diagnóstico do câncer de mama?


"O autoexame, recomendado a partir dos 20 anos de idade com periodicidade mensal, é uma alternativa para pessoas que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS) e que necessitam esperar, às vezes, por meses por uma mamografia", diz Emanuella. "No entanto, ele não tem 100% de eficácia e jamais deve substituir o exame clínico, que deve ser feito a cada 2 anos pelas mulheres que chegam aos 30 anos de idade. Há, sim, indícios a que todas as mulheres devem ficar atentas para agendar uma mamografia fora desse prazo, que garante 97% de acerto nos diagnósticos de câncer de mama", diz a médica.


A palpação das mamas entre o 4º e 6º dia após o fim do fluxo menstrual é a essência do autoexame, explica Emanuella. Esse gesto deve ser realizado em frente ao espelho: a mulher deve observar se há deformação ou alteração no formato das mamas, abaulamentos ou retrações e feridas ao redor do mamilo. "Durante o banho ou deitada, é necessário tentar sentir a presença de caroços nas mamas, axilas e observar se há secreção nos mamilos", alerta.


Confira as mudanças no corpo como sinais de alerta de câncer de mama:


Nódulo ou caroço

"É um dos principais a indicar o sintoma de um câncer, mas nem sempre significa, já que infecções e cistos também geram nódulos".


Secreção de líquido pelo mamilo

"O mamilo pode secretar sangue ou um líquido quando o câncer de mama está se instalando no organismo. No caso de odor forte, o sinal de alerta é ainda maior".


Alteração do tamanho da mama

"O tumor do câncer pode deformar os tecidos mamários, o que faz a mama crescer, por conta de inchaço, ou mesmo diminuir, por retração de tecido".


Vermelhidão

"A vermelhidão na pele ou na aréola da mama, ocasionalmente, pode representar alguma infecção ou inflamação, mas também consta como um sintoma do câncer de mama".


Inchaço e nódulos nas axilas

"Caso parecido com a vermelhidão: pode ser apenas uma inflamação ou infecção, mas também é um indício do tumor. Consulte sempre um especialista, em qualquer alerta".


Afundamento do mamilo

"A inversão do ângulo do mamilo pode representar o surgimento de um tumor atrás da aréola, em uma localização específica. Nesse caso, o afundamento ocorre por conta do tumor puxar internamente essa área do corpo".


Endurecimento da pele da mama, semelhante a casca de laranja

"A alteração da textura da pele da mama, com uma semelhança de 'casca de laranja', é um dos principais sintomas do câncer inflamatório. Isso ocorre porque obstrui os vasos sanguíneos na região e, assim que observado, um médico deve ser procurado urgentemente".


Leia também - Impacto da pandemia no diagnóstico precoce do câncer de mama


Leia também - Mamografia ajuda a reduzir até 30% a mortalidade por câncer de mama


leia também