colunas

Um ano se passou: o que mudou pra você?

Reflexões sobre a pandemia

por Jociane Casellas

26/03/2021
Créditos: Pixabay

Um ano se passou desde o início da pandemia por aqui. Quantas coisas aconteceram e mudaram nesse período. Quantos momentos de dificuldade, dor, sofrimento, angústia, medos, incertezas, mudanças, perdas, distanciamentos se fizeram presentes.


Um ano de transformações! Novas rotinas, novo jeito de conviver com as pessoas, descobertas, desafios. Mais afetos, menos afetos, solidariedade, violência, intolerância, imprudência, consciência, responsabilidade, coletivismo. Empatia, compaixão, egoísmo. Enfrentamentos, negacionismos, ansiedade, depressão, estresse, exaustão. Alienação, indignação, ignorância, ganância, oportunismos.


Qual desses sentimentos, sensações ou situações você vivenciou? Ou presenciou em pessoas do seu entorno?


Estamos num momento de muito mais perguntas do que respostas. Quantos questionamentos surgiram em cada um de nós nesse período?


Quando isso vai acabar? Até quando teremos que viver nessas condições? Quem não se fez essa pergunta?


Para onde estamos caminhando enquanto humanidade? O que temos aprendido com tudo isso?


O que ficou mais evidente, nossas vulnerabilidades ou nossas fortalezas?


O que mudou pra você nesse um ano? Ou você continua fazendo as mesmas coisas?


A partir de agora quero convidá-la, convidá-lo, a um momento de reflexão.


Não trago respostas, trago provocações, estímulo, incentivo para que você revisite seu interior, seus conceitos e valores e pare por alguns instantes para fazer um balanço do último ano da sua vida.


Começando pelas coisas que você agradece. O que tem feito você estar mais grato nos últimos tempos?


Que coisas você descobriu nesse último ano?


O que mudou em você?


Que coisas você passou a dar mais valor? E com que coisas você passou a não se importar mais tanto?


Deixou de fazer alguma coisa? Acrescentou novos hábitos à sua rotina?


Percebe-se mais ou menos intolerante? Com o que?


O que pretende fazer depois que tudo isso passar? Que hábitos agora adquiridos pretende manter?


Quais são seus planos a curto, médio e longo prazo?


São tantas as indagações que não sabemos por onde começar a responder. Algumas respostas virão com o tempo, outras certamente já estão armazenadas em nosso íntimo, outras talvez não saibamos.


Os impactos gerados nesse período são tão marcantes que muitos deles levarão tempo para que a ordem seja novamente restabelecida, seja na esfera física, emocional, espiritual, moral, econômica, social, política. E talvez essa ordem não seja mais a mesma, quem sabe ela passe a adquirir novos formatos.


Como será nossa vida pós pandemia? Quais são nossas perspectivas para daqui um tempo?


Se você não se fez essas perguntas ainda, comece a pensar.


O que de bom você levará desse momento e o que de ruim você transformará?


Que contribuição você quer deixar nesse capítulo da história da humanidade?


Esse é um tempo que ficará marcado na nossa história. Gerações futuras se surpreenderão ao saber e conhecer tudo que foi vivido durante essa pandemia. E cada um de nós está ajudando de alguma nesse registro. Assim como gerações anteriores a nossa ficam estarrecidas e perplexas ao pensar que jamais haviam vivenciado situação semelhante ao longo da sua vida. Muitos longevos não esperavam, sequer imaginavam passar isso.


Um ano se passou. Que aprendizados ele deixou?


Ainda temos um caminho pela frente, que daqui um ano possamos fazer novas reflexões, com a certeza de que tempos mais amenos se avizinharam e trouxeram mais leveza ao nosso modo de estar por aqui. 


* Jociane Casellas é psicóloga formada pela Universidade Tuiuti do Paraná e atua há mais de 10 anos na área da saúde. Pós- graduada em Psicologia Clínica com ênfase na abordagem Sistêmica, pós-graduada em Psicologia Hospitalar e specialista em Psico-Oncologia, com atuação em Cuidados Paliativos. Pós-graduanda em Psicologia Transpessoal e Mestranda em Bioética, além de colunista do portal Saúde Debate




Confira outras colunas de Jociane Casellas clicando aqui


Conheça também os demais colunistas do portal Saúde Debate. Acesse aqui.


leia também