opinião

Por um ensino mais "humanizado" nos cursos da área de saúde

Neste artigo, Fabiana Ferreira Rodrigues Teixeira, mestre em Enfermagem e professora do TECPUC, destaca a importância de abordar a humanização com os estudantes

por *Fabiana Ferreira Rodrigues Teixeira

13/10/2021
Créditos: Pixabay

No Brasil, o tema humanização nasceu como programa do Ministério da Saúde, voltado para a atenção hospitalar, em 2001, com o objetivo de melhorar o atendimento ao usuário e ao trabalhador da Saúde. Essa necessidade surgiu com a descrença do Sistema Único de Saúde (SUS) por parte da população, devido aos diversos problemas que envolviam a execução e a implantação das políticas de saúde no país.


Humanização pode ser compreendida como um vínculo entre profissionais e usuários, alicerçado em ações guiadas pela compreensão e pela valorização dos sujeitos, reflexo de uma atitude ética e humana. Em outro sentido, ela está associada à qualidade do cuidado, que incluiria a valorização dos trabalhadores e o reconhecimento dos direitos dos usuários. Algumas produções acadêmicas apontam que a humanização do SUS abrange condições de trabalho, modelo de assistência, formação permanente dos profissionais, direitos dos usuários e avaliação do processo de trabalho.


Nesse sentido, a Política Nacional de Humanização (PNH) foi criada em 2003, com o objetivo de disseminar práticas de saúde humanizadas para usuários, trabalhadores e gestores, e é entendida não como programa, que incluem vários projetos importantes, mas como política que atravessa as diferentes ações e instâncias gestoras do SUS.


Em relação às diferentes ações propostas pela PNH destaca-se o ensino aprendizagem – aliás, estudo realizado com alunos da enfermagem aponta que a humanização se aprende na prática, nos cenários de aplicação onde se pode vivenciar o que se debate nas salas de aula, na teoria, com o professor. Neste sentido destaca-se a figura do professor como um elemento facilitador do aprendizado da humanização, por meio da metodologia do ensino pelo exemplo; quando o professor está com os estudantes nos estágios, eles observam como o professor se relaciona com os usuários nos serviços de saúde e percebe que é possível colocar em prática o que se aprende na teoria na sala de aula.


Diante ao exposto, ao longo de sua formação o estudante precisa se deparar com diversas atividades práticas, como visita domiciliar, ação de promoção e prevenção à saúde em todas as etapas do desenvolvimento humano, visita técnica às instituições de saúde, e os estágios obrigatórios nas diversas áreas do conhecimento. Todas essas etapas proporcionam ao aluno, um misto de sentimentos, negativos e positivos.


Em um trabalho desenvolvido com estudantes, por exemplo, eles relataram suas reflexões sobre os estágios comparando a teoria com a prática, e foi possível, em relação aos sentimentos negativos apontados, destacar nos relatos a desumanização da equipe de trabalho em algumas situações e a frustração ao não ser acolhido pela equipe de enfermagem em algumas instituições.


Contribuiu negativamente também presenciar estruturas físicas inadequadas e falta de materiais para execução das atividades. Em relação aos sentimentos positivos destaca-se a sensibilidade do jovem ao prestar os cuidados de enfermagem de forma integral com o objetivo de deixar o usuário do serviço satisfeito. Esse sentimento é trabalhado com o aluno através das diversas disciplinas ofertadas e metodologias variadas que permitem a eles refletirem sua prática e entender que conhecimento técnico científico e humanização andam juntos. Além disso, identificar comportamentos inadequados durante sua trajetória de formação traz reflexões positivas.


Nesse contexto, de ensino aprendizagem a escola tem papel fundamental em formar profissionais aptos à prática da humanização, através de debates e vivências práticas. Assim, a escola se insere no objetivo da PNH de disseminar práticas de saúde humanizadas e proporciona melhores condições aos futuros profissionais para enfrentar desafios e conflitos da prática profissional em todas as áreas de atuação.


(Foto: Divulgação)


*Fabiana Ferreira Rodrigues Teixeira é mestre em Enfermagem e professora das disciplinas de Assistência de Enfermagem em Saúde Coletiva e Educação para a Saúde e Assistência de Enfermagem ao Paciente Adulto e Idoso em Tratamento Clínico do Curso Técnico em Enfermagem do TECPUC (Centro de Educação Profissional Irmão Cristóvão)


Leia outros artigos publicados no Saúde Debate


Conheça também os colunistas do Saúde Debate


leia também