opiniões

O câncer não sabe o que é uma pandemia

Confira o artigo da PhD em genética e biologia molecular e assessora técnica do Laboratório Lustosa, Fernanda Soardi

por *Fernanda Soardi

08/04/2021
Créditos: Freepik

Durante esse ano pandêmico, não foi raro observarmos que pessoas próximas a nós deixaram de ir às consultas de rotina ou, até mesmo, interromperam tratamentos pensando em esperar a pandemia passar. Os números cada vez mais alarmantes relacionados à segunda onda de Covid-19 e o lento processo de aquisição de vacinas lamentavelmente não permitem vislumbrarmos uma rápida mudança desse cenário. Por isso, os cuidados com a nossa saúde não podem continuar ficando para depois. A vida não para e doenças graves, como o câncer, também não.

 

Neste dia 8 de abril, escolhido como Dia Mundial de Luta contra o Câncer, é necessário reforçar a importância de mantermos a atenção à saúde, o acompanhamento clínico, a realização dos exames e a continuidade dos tratamentos, mesmo durante a pandemia.

 

A Associação de Patologia Molecular (AMP), uma das principais referências em diagnóstico molecular no mundo, recentemente divulgou resultados preocupantes quanto aos testes moleculares para câncer durante a pandemia da Covid-19: 85% dos entrevistados informaram que houve diminuição significativa da realização de exames durante abril-junho de 2020.

 

Essa realidade também é observada na oncologia pediátrica, segundo estudo conduzido por pesquisadores do St. Jude Children's Research Hospital, publicado no início de março desse ano, que identificou uma redução importante da realização de exames e a interrupção de tratamentos do câncer infanto-juvenil.

 

Com a chegada de novas cepas de Covid-19, entre elas as cepas P1 e P2 nacionais, nos deparamos novamente com a diminuição da realização de exames de câncer e precisamos ficar alertas quanto a essa situação. No Laboratório Lustosa, por exemplo, tivemos uma queda de 13% nos exames de rotina no último ano, em comparação com o período anterior.

 

O receio de buscar o atendimento médico e ir aos laboratórios está fazendo com que as pessoas deixem de se cuidar – ou adiem esses cuidados. Em consequência, a médio prazo pode haver um aumento da gravidade de outras doenças que não estão relacionadas ao coronavírus, como o câncer, e que poderiam ser diagnosticadas e tratadas precocemente.

 

Todos os laboratórios têm, atualmente, opções de atendimento domiciliar e os procedimentos de coleta são realizados com total segurança, seguindo as normas dos órgãos de saúde. Não há motivos para se preocupar. O risco é muito maior para a sua saúde se não houver essa prevenção.

 

Não se pode esquecer, que o bom estado de saúde das pessoas também é essencial no enfretamento do coronavírus, em caso de contaminação. Além de ajudar a reduzir complicações, a realização de exames impacta ainda no número de internações, desafogando os hospitais para atendimentos de emergência.

 

Por isso, se cuide, cuide dos seus familiares, mas não negligencie sua saúde. O câncer não espera, ele não sabe o que é uma pandemia.


(Foto: Sérgio Amzalak / Agência Kangoroo)


* Fernanda Soardi é PhD em genética e biologia molecular e assessora técnica em Genômica e Genética do Laboratório Lustosa


Leia outros artigos publicados no Saúde Debate


Conheça também os colunistas do Saúde Debate



leia também