colunas

Em tempos de Covid-19, o que mais assusta você?

E quais mudanças isto tudo vai deixar em cada um de nós

por Jociane Casellas

27/03/2020
Créditos: Freepik

Vivemos um momento delicado e complexo, em esfera mundial. Uma situação jamais imaginada por muitos de nós.


Para uns, uma experiência aterrorizante de medo e pavor; para outros, algo distante, qualquer coisa perto do exagero ou de certa “histeria coletiva”.


Mas se formos analisar, o que de fato está ocorrendo? Que movimento o mundo está vivenciando? O que tudo isso está nos mostrando e nos trazendo? Que reflexões podemos fazer diante desse momento de incertezas, receios, preocupações, ameaças.


E fica a pergunta: o que mais assusta você nisso tudo?


Quais são seus medos, suas dúvidas, suas angústias, seus pensamentos e sentimentos nesse momento de tanta fragilidade?


O que mais afeta você?


Medo da contaminação pelo vírus e dos seus impactos? Medo da morte? Medo por fazer parte do grupo de risco? Medo por ter perto de você pessoas queridas que fazem parte desse grupo?  Mas o que isso significa?


Medo que ocorra um inchaço nos serviços de saúde, não dando conta da demanda de atendimento? Caos no gerenciamento e ação dos serviços públicos? A possibilidade de viver escassez de alimentos, medicamentos, água potável? Pessoas demonstrando ganância e egoísmo frente à avidez de muitos por alimentos e material de higiene e limpeza?


O que mais assusta você?


Nossa fragilidade e suscetibilidade frente a um vírus avassalador?


Nossa finitude refletida a cada novo óbito registrado?


Planos e sonhos ainda não realizados, ameaçados por conta da situação?


A viagem marcada que teve de ser adiada ou até mesmo cancelada?


A festa que precisou ser desmarcada?


O “isolamento social”? (Será que já não vivíamos um isolamento social e não percebíamos? E isso até então não nos causava sofrimento? Por que agora está causando?).


Só porque eu não posso sair, agora quero...


A reclusão doméstica? A “solidão”?


O excesso de informações? Falsas e verdadeiras.


A oscilação e ameaça no cenário econômico?


Se tenho vínculo empregatício, corro risco de perder meu emprego?


Se sou autônomo, como farei para honrar meus compromissos financeiros?


O oportunismo de uns em detrimento do sofrimento e da necessidade do outro?


O que mais assusta você nisso tudo?


O que está por vir ou o que ficará depois?


Que mudanças e transformações ficarão em cada um de nós, na nossa forma de viver depois dessa experiência a que todos nós estamos expostos?

O que podemos aprender com tudo isso?


Qual a nossa contribuição para o auxílio do enfrentamento desse caos? Há algo que podemos fazer para ajudar?


Do que podemos ter controle agora? Há coisas que nem a mais avançada tecnologia nesse momento tem as devidas respostas e o devido controle. Mas o que é possível ser controlado por cada um de nós?


Como vemos, temos muito mais perguntas do que respostas.


Portanto, o que podemos fazer é aquilo que está ao nosso alcance. Para o nosso bem estar e do próximo.


Como psicóloga me preocupo, claro, com todo o contexto global, mas não posso deixar de pensar na saúde mental e controle emocional da população, que estão sensivelmente ameaçados.


Transtornos de humor como ansiedade e depressão, que poderiam estar anteriormente controlados ou atenuados, podem se exacerbar, ou ainda alguns sintomas se instalarem por conta dos gatilhos anteriormente citados.


É momento de nos ajudarmos. É momento do senso de coletividade tomar conta da nossa forma de agir e de pensar. Mais do que nunca precisamos nos unir em prol de um bem maior e público: a saúde, que é coletiva!


Ao trazer essas reflexões, podemos pensar na nossa capacidade de adaptação a diferentes e inusitadas situações. O mundo mudou de uma hora para outra sem que pudéssemos escolher fazer parte ou não dessa mudança.


O momento é crítico, mas quanto mais pudermos manter nossa rotina mais próxima possível do normal, dentro é claro, de todas as recomendações mais sairemos fortalecidos quando tudo passar.


E mesmo diante daquilo que mais nos assusta que possamos manter a serenidade, o otimismo, a solidariedade e certeza de que dias melhores virão!


E diante daquilo que mais assusta você, o que te conforta?



Confira outras colunas de Jociane Casellas clicando aqui.


Conheça também os demais colunistas do portal Saúde Debate. Acesse aqui.

leia também