releases

Documentário sobre HIV e AIDS no Brasil entra para o catálogo de materiais de educação sobre saúde sexual

Iniciativa #PrecisamosFalarSobreIsso busca aumentar a conscientização da população jovem sobre a infecção trazendo o debate para a sala de aula

por Assessoria de Imprensa

12/03/2021
Sobre: Documentário sobre HIV/AIDS integra educação sexual de jovens e adolescentes
Créditos: Anna Schvets / Pexels

Buscando aumentar a conscientização sobre HIV/Aids entre jovens e adolescentes, o documentário Carta para Além dos Muros, dirigido por André Canto, ganhou uma nova versão em parceria com a plataforma de streaming Videocamp. O material, que narra a trajetória da epidemia de HIV no Brasil, será disponibilizado gratuitamente em uma versão reduzida de 50 minutos para exibição em sala de aula.


A iniciativa - patrocinada pela biofarmacêutica Gilead Sciences, que tem o HIV/ Aids como uma das suas principais áreas terapêuticas, e outras instituições e empresas - tem como objetivo incentivar professores e estudantes, a partir do ensino médio, a debaterem sobre saúde sexual, com foco na prevenção da doença, além de terem mais acesso à informações relacionadas ao HIV/AIDS e sua evolução ao longo dos anos. Junto ao filme, será disponibilizado um material didático para alunos e professores com todos os dados relevantes sobre o HIV/AIDS e formas de prevenção. 


Leia também - Brasil tem 920 mil pessoas com HIV, segundo Ministério da Saúde


Leia também - Ministério da Saúde: 135 mil convivem com HIV no país e não sabem


O documentário, lançado em 2019, relembra a evolução de tratamentos médicos e estigmas sociais relacionados ao HIV 40 anos depois do primeiro caso diagnosticado. Segundo o Boletim Epidemiológico de 2020, toda semana seis mil jovens são infectados no mundo pelo HIV. O aumento da infecção entre os adolescentes é uma tendência global e essa faixa etária é a única em que a epidemia continua avançando com um risco relativo 50% maior em relação às outras faixas etárias.


Por isso, houve a necessidade de reforçar iniciativas educacionais voltadas para o público jovem. A obra foi reduzida para poder ser exibida em sala de aula – por isso a versão tem 50 minutos – buscando fomentar e promover o debate entre professores e alunos sobre saúde sexual, prevenção e tratamento das Infecções Sexualmente Transmissíveis, entre elas o HIV. Além disso, a obra chama a atenção para a taxa de mortalidade da população LGBTQI+ em consequência da infecção.


O documentário, primeiro do gênero a refazer a cronologia do HIV e da AIDS no país, encabeça o projeto #PrecisamosFalarSobreIsso, que também conta com uma série documental para a TV e um livro-reportagem que relatará todo o processo de sua pesquisa e realização. Todo o conteúdo ficará disponível na plataforma Videocamp por cinco anos e poderá ser acessado pelos estudantes e docentes cadastrados.


Leia também - Fiocruz coordena estudo pioneiro na Profilaxia Pré-Exposição ao HIV



leia também